Reportagens

FishingTur

Olha aí

Interativos

Anúncios



Pesqueiro Ecopesca – Pirararas iradas e tambas malucos na ponta da linha

Local: Pesqueiro Eco Pesca – Rio Quente – GO
Data: Dezembro de 2014

Olá amigos do Fishingtur,

Nosso destino foi sem dúvida uma dos melhores pesqueiros do Brasil, localizado na cidade de Rio Quente em Goiás, dentro do Rio Quente Resorts.

O Pesqueiro EcoPesca, onde já é comentado pelo Brasil todo, pois detêm de uma estrutura nunca vista em outro pesqueiro, como quiosques equipados com pias, sabonete líquido e papel toalha para que possamos higienizar as mãos, interfones para se comunicar com a recepção, podendo fazer pedidos de comidas, bebidas, iscas e etc, um consultor de pesca, o qual ajuda desde os pescadores pioneiros, até os mais experientes, pois além de iscas eles também dão as dicas dos locais e fazem o registro fotográfico para o pescador que quiser adquirir o pacote de fotos, pois no Ecopesca as fotos são registradas e vendidas, podendo ser cobradas por quantidade ou fechadas em um pacote.

Além de tudo isso, que com certeza já é um diferencial muito grande, o Ecopesca ainda oferece uma pescaria embarcada, onde o guia te leva para pontos extremamente exclusivos, pois o lago é gigante e impossível de ser explorado apenas na pescaria de barranco.

Depois de todas essas qualidades citadas, ainda não falamos nos peixes, que é uma coisa impressionante visto que além dos gigantes redondos como  tambacus, tambaquis, caranhas, tambatingas e pacus, ainda tem os gigantes peixes de couro como as pirararas, jaús, cachapiras, pincacharas, pintados e Jundiás onde fazem a alegria dos pescadores que procuram uma briga muito intensa e de peixes grandes.

Bom, depois de descrever a vocês o porquê que o Ecopesca é considerado por muitos como um dos melhores pesqueiros do Brasil. Eu (Fernando), Marcio David e Júnior nos aventuramos naquelas águas de gigantes para mostrar para vocês um pouco deste paraíso de águas quentes e cristalinas.

Logo ao chegar, nossos amigos e consultores de pesca Gilson e Marcelo já vieram nos dar boas vindas e boas notícias, nos dizendo que as pirararas estavam loucas no lago, e os redondos estavam comendo na superfície muito bem. Assim, o que restou para nós foi armarmos os equipamentos variando entre varas para a pesca de cevadeira, que eram de 7 a 8 pés até 30lbs, e carretilhas de perfil baixo tamanho 200 ou 300, porém para garantir, eu (Fernando) utilizei uma carretilha tamanho 300 onde comporta aproximadamente 150 metros de 0,40mm da triumph, assim, garantindo mais a briga com os redondos agressivos do Ecopesca, Já o Marcio começou com uma vara de 7′ de 25 libras, apenas com um pequeno líder de linha 0,50mm e um anzol modelo 12146 5/0 na ponta da linha, equipamento exclusivo para pescar com o pão flutuando, modalidade que o Marcio vêm se aperfeiçoando e sempre com ótimos e grandes peixes na ponta da linha, principalmente os verdões.

Além disso, nossa principal arma para a pesca de superfície foram as excelentes miçangas das Bóias Barão, onde recebemos vários modelos para testarmos e lógico, aprovadíssimas, posso afirmar para vocês que tivemos ações em todas elas, pois são muito boas e muito chamativas. Então o jeito foi encher a cevadeira e mandar lá pro meio do lago nosso conjunto de anteninhas confeccionados com anzóis 3/0 e evas também da BARÃO, com cores variadas, e já nas primeiras copadas os redondos já começaram a aparecer.

O Marcio rapidamente arremessou meio pão francês a uns 20 metros da margem e em menos de 2 minutos, alguns rebojos e o pão sumiu, ou seja, tamba na ponta da linha, logo depois, deixou um equipamento médio-pesado na beirada com salsicha e logo já bateu um enorme Jundiá, onde deu um trabalho para sair da água que achamos até que fosse uma pirarara pequena.

Pesqueiro Ecopesca

Tambacu e Jundiá - Marcio David

Em menos de 10 minutos de pescaria, o Marcio já havia capturado 2 peixes, então ele olhou para mim e disse para eu armar uma equipamento bem pesado na saída d’água, onde sempre saiam as maiores. E eu como sou apaixonado pela pirarara, escolhi o equipamento mais pesado que eu tinha que consistia em uma vara de 200lbs, e uma carretilha Penn Senator 112H de nossos amigos da Penn-raíba, com linha 0,80mm e anzol circle hook Octopus 9/0 e como isca, peguei a maior cabeça de tilápia que estava no isopor e armei.

Em menos de 10 minutos uma catracada forte já denunciava a primeira gigante da viagem, então corri e mandei a fisgada e o contra ataque veio rápido com uma tomada de linha de mais de 50 metros. Eu olhava para a cara do Marcio que estava filmando para nosso programa que logo vocês irão acompanhar, e ele dava risada. Após 20 minutos de um verdadeiro cabo de guerra, a gigante vem à superfície me dar boas vindas e mostrar que realmente o Ecopesca se pode pescar com o mesmo equipamento que na natureza pois a força do peixe é igual.

Pirarara

Pirarara - Fernando

Após a soltura, peguei outra cabeça de tilápia e coloquei no mesmo lugar, e ao passar do lado da vara do Marcio, vi um movimento na beirada, e quando virei as costas a catraca tocou e ele já veio mandar a fisgada, onde desta vez a isca foi a guelra, e com aquele contra ataque brutal, já sabíamos que seria outra Pirarara. Acompanhando a briga ao lado dele, olho para meu equipamento que estava na saída d’agua e vi a linha esticando e logo a catraca tocando. Corri pra lá e mandei a fisgada confirmando o doublê de pirararas, pois com aquela briga só poderia ser elas.

A alegria era estampada em nossos rostos, pois pescar no Ecopesca sempre foi um prazer imenso para nós do Fishingtur, pois fomos os primeiros que descobrimos esse paraíso e até hoje somos agraciados pela confiança de nosso amigo André, dono do pesqueiro, onde ele sempre está em contato conosco, e sempre que podemos, marcamos correndo uma viagem para esse paraíso. E as pirararas enfim saíram, e a alegria tomava conta do pesqueiro, pois um double de Pirararas em menos de 30 minutos de pescaria, era algo realmente fora do comum.

Isso porque enquanto estávamos com essas duas piras, a outra vara do Marcio cantou a catraca, e o amigo e instrutor Gilson fisgou e começou a briga na Carretilha Penn, mas depois de uns 5 minutos e quase na outra margem, ela escapou. Mas nosso double foi garantido.

Pirararas

Pirararas - Marcio e Fernando

E já cansados de tanto brigar com as araras, eu e o Marcio sentamos um pouco para conversarmos sobre esse excelente local e descansarmos um pouco e em seguida a vara do Júnior também toma uma pancada e consequentemente a catraca rompe o silêncio. Eu olho para ele e digo: – Vai, agora é sua vez !!!

Ele fisgou e a tomada de linha foi quase que imediata, porém essa pirarara brigou sujo, e levou lá para o lado do lago, assim, podendo correr o risco de cortar a linha nas pedras, mais o júnior travou tudo e conseguiu com que ela virasse para o meio, e assim foi indo até que ela encostou no barranco e já vimos que se tratava de outra gigante. E assim, já que eu tinha ajudado a tira-lá, ele pede para que eu saia na foto também, e se tratando de pirarara, vocês sabem que eu não resisto.

Pirarara

Pirarara - Júnior

Nós já estávamos extremamente cansados, com os braços pesados, e nem tínhamos se quer pescado os tambas ainda, então Eu e o Marcio fomos até a recepção para pegarmos algo para beber e ao voltar, vimos a vara do Marcio quase bebendo água, ele literalmente jogou a latinha de refrigerante de lado e fisgou a danada que já estava bem longe, isso porque era um Penn com linha 0,82mm e bem fechada, mas nem sinal dela estar cansada, e embaixo daquele calor, nós só acompanhamos a briga na sombrinha, e o Marcio suando para tirar a pirarara, até que ela encosta e ao tirarmos vimos que se tratava de mais uma boa Pirarara.

Eco Pesca

Pirarara - Marcio David

Desta vez o sol começou a dar lugar a várias nuvens escuras e carregadas, e a chuva era certeza. Então pegamos nossas malas e levamos para a recepção, para que não molhasse as malas das câmeras e filmadoras, e ficamos apenas com a GOPRO lá no lago. Assim, o Júnior e Marcio resolvem ir até a recepção para não tomar chuva e conversar com nosso amigo Gilson, que entende e conhece muito da pescaria nesse abençoado paraíso. Eu(Fernando), como sou teimoso, recolhi a vara que estava armada na saída d’agua e fiz uma ceva ali mesmo com salsicha, queijo e sangue das cabeças e guelras.

Esperei cerca de 10 minutos e soltei 2 varas com cabeça de tilápia, uma de cada lado da saída, e fiquei ali só observando com uma das varas na mão e outra no suporte e a chuva forte com rajadas de vento não parava até que a vara que estava no suporte começa a correr lentamente, então peguei a vara na mão e antes mesmo da catraca tocar, já mando uma fisgada forte e a tomada de linha como já de costume foi algo incrível, onde vocês poderão acompanhar no programa, pois assim que fisguei coloquei a gopro na cabeça, e mostrei toda a tomada de linha da pirarara, até que quando a pira já estava mais calma e no meio do lago, a outra vara começa beber água e com a outra mão eu já dou a fisgada e o doublê estava feito, com uma vara em cada mão e duas piras na ponta da linha. E como a primeira pirarara já estava mais cansada, e no meio do lago eu resolvi colocar a vara no suporte, e brigar com a outra que tinha acabado de fisgar. Eu estava louco de emoção e ao mesmo tempo preocupado pois, não sabia se daria certo essa tática de brigar um pouco com cada, até que elas cansassem, até que o Marcio chegou, e veio me ajudar, aliás, ao invés de me ajudar, ele sentou na cadeira, ligou a câmera e falou: -GRAVANDO!!!

Então tive que me virar, e deu certo! Tirei as 2 piras ao mesmo tempo. Foi uma sensação indescritível, pois ter a oportunidade de brigar com a espécie que você mais gosta e ainda em dose dupla realmente é show, e ainda embaixo de uma chuva fortíssima para refrescar aquele calor escaldante do cerrado, não tem preço !

Pirararas

Pirararas - Fernando Acorci

Com a chuva amenizando, voltamos as atividades e desta vez o combinamos de focar nos tambas, pois ainda não tínhamos pescado direito, as capturas de piras foram incessantes, então montamos as cevadeiras com as anteninhas e as miçangas novas da BARÃO e logo no primeiros arremessos, ouvimos uma catracada de Pirarara que tocava por ali, e nós, olhamos um para o outro dizendo: -Nossa, não conseguiremos pescar tambas hoje não!!

Então o Júnior assume a briga que estava muito pesada e de peixe grande com tomadas de linhas fortes e repentinas, mostrando assim, que os peixes realmente no Ecopesca são muito fortes. Com a pirarara já cansada, tiramos ela e já mandamos varias fotos, pois se tratava de mais uma gigante.

Pirarara

Pirarara - Júnior

Bom, ao soltar, nem armamos mais as varas de pira, e já com as cevadeiras prontas para entrar em ação, arremessamos, e logo os tambas já estouravam na ceva. Era algo impressionante, onde eles tiravam a cevadeira do lugar com suas pancadas e consequentemente nossos eva’s eram espancados na flor d’agua. Era tamba prá todo lado. Foram vários exemplares fisgados.

Redondos

Redondos - Fishingtur

A disputa pela ceva era grande, até que o Marcio resolve arremessar um pão no meio do lago, daquele jeito que estamos acostumados a pescar, onde arremessar apenas o pão com anzol 5/0 ou 6/0, 12146 da MS, e uma explosão some com o pão inteiro, já denunciando mais um gigante porém desta vez, um  belo redondo.

Tambacu

Tambacu - Marcio David

Percebemos que vários tambas de médio porte estavam acabando com a ceva antes mesmo dos grandes encostarem, então o Marcio começou a arremessar em lugares diferentes, literalmente tentando fugir dos tambacus menores e médios e sempre com explosões e peixes na ponta da linha nos evas e miçangas da Bóias Barão.

Fishingtur

Fishingtur no Ecopesca

Já estávamos literalmente mortos, em menos de um dia de pesca, mas faltava uma espécie que em especial o Marcio gosta muito, que são os famosos Verdões, os Tambaquis, que no Ecopesca tem relatos de poucos exemplares, mas alguns muito grandes. Então, o Marcio nos disse que iria busca-lo, e começou a arremessar o pão longe da ceva, onde não tinha movimento nenhum de peixe, recolhia, jogava de novo, andava, voltava, mais longe, mais perto e após algumas tentativas, ele chega ao nosso devagarzinho e só ouvimos a fricção da carretilha cantando e quando olhamos para ele, nos disse: -Eu disse que ía busca-lo !!!!!!!

Após grandes corridas, vimos os grandes rebojos e realmente vimos que era um verdão, e quando tudo estava sob controle, o gigante vem a superfície e todos nós já felizes com a captura, passamos o passaguá nele e mandamos varias fotos, para vocês acompanharem a beleza desse peixe. E o Marcio, lógico cheio de sorrisos.

Tambaqui

Tambaqui - Marcio David

Depois de tudo isso, ainda tivemos forças para pescar mais um pouco e capturar mais alguns exemplares, esses na cevadeira com as miçangas novas da Barão.

Tambas - Fishingtur

Tambas - Fishingtur

Já cansados e literalmente pescados, resolvemos então encerrar nossa pescaria antes mesmo da noite cair, visto que o programado seria passar apenas um dia nesse paraíso, pois seguiríamos viagem para outros destinos e outros pesqueiros que vocês poderão acompanhar logo mais aqui em nosso site, e em nossos programas.

Miçangas Barão

Miçangas - Bóias Barão

Aqui vamos encerrando uma super matéria onde sem dúvidas, pelo menos pra mim (Fernando) foi umas das melhores pescarias, onde pegamos vários tamanhos e espécies nobres, faltando apenas o famoso Jaú que com certeza iremos voltar para capturarmos.

Obrigado a todos e esperam o programa que sem dúvida será insano !

Fernando Acorci
Equipe Fishingtur

AGRADECIMENTOS

Eco Pesca
Rio Quente – Goiás
64 8135-2200
62 8407-7264
64 3452-1336
64 3512-8086
www.ecopesca.com.br

Rio Quente Resorts
Site: www.rioquente.com.br

Massas Paturi
www.massaspaturi.com.br

Bóias Barão
www.boiasbarao.com.br

Abu Garcia
www.abugarciabrasil.com.br/

Berkley
www.berkleypesca.com.br

Shakespeare
www.shakespearebrasil.com.br

Penn-Raíba Carretilhas
http://www.pennraibacarretilhas.blogspot.com.br/

Fishing Master
www.fishingmaster.com.br
.
.
.


Gostaria de receber as matérias por e-mail? Cadastre-se aqui!

2 Comentários

  1. Milton em fevereiro 26th, 2015

    Estive pescando no Eco Pesca no carnaval e realmente é um dos melhores pesqueiros que frequento, só peixe mostro, atendimento muito bom, mas por favor proibir o pescador de tirar foto e cobra 19,00 por foto e algo fora da realidade, o pesqueiro já cobra um preço diferinciado,mas as fotos, pelo amor de Deus !!!!

  2. Udo em março 10th, 2015

    Concordo plenamente com o Milton. mas no Brasil é assim, não se explora o turismo mas sim o turista.


Fatal error: Call to undefined function show_subscription_checkbox() in /home/storage/b/dc/e9/fishingtur/public_html/wp-content/themes/ad-clerum-10/comments.php on line 101
xxxx