Um mergulho com os Pirarucus para entender sua alimentação


Local: Lago de Mergulho - Rio Quente Resorts

Olá amigos,

Nossa Aventura agora foi embaixo da água, eu (Marcio David) e o Jean Coqui, em visita ao Rio Quente Resorts, passamos uma manhã gravando no lago de mergulho, em especial, pesquisando e colhendo informações sobre os Pirarucus.

Eu fiquei na plataforma atraindo os peixes e o Jean mergulhou para fotografar. Nossa intenção era mostrar em detalhes a alimentação dos Pirarucus. Peixes que se alimentam de uma forma peculiar.

O pirarucu (Arapaima gigas) é um dos maiores peixes de água doce. É nativo da Amazônia, e seu nome vem de termos indígenas: Pira, "peixe", Urucum, "vermelho", por causa da cor avermelhada pelo corpo.

Por ser um peixe grande, chegando a variar de dois a três metros, e pesando de 100 a 200 kg, possui dois aparelhos respiratórios, as brânquias, para a respiração aquática, e a bexiga natatória modificada, especializada para funcionar como pulmão na respiração aérea. Ou seja, é um peixe que também respira fora da água.

O pirarucu é um peixe onívoro, se alimenta de outros peixes, pequenos animais e vegetais. Na sua alimentação podemos encontrar frutas, insetos, moluscos, vermes, crustáceos, anfíbios, répteis, peixes e aves aquáticas, ou até pequenos mamíferos.

Sempre tivemos a curiosidade em saber sobre o ataque dos pirarucus nas iscas, quase sempre violentas e quase sempre engolindo a isca. Foi aí que surgiu a ideia de mergulhar com esses gigantes para ver bem de perto essa ação, para que assim pudéssemos entender melhor.

O Pirarucu no ato da alimentação, quando ele faz a sucção da isca, ele praticamente dilata sua mandíbula no mesmo tamanho da sua garganta, quase que no diâmetro do seu corpo perto da cabeça. Algo surpreendente e que só conseguimos registrar com câmeras especiais tirando em média 30 fotos por segundo ou mais.

Eles se alimentam por sucção, e não atacam a isca, eles chegam perto e sugam, tudo o que tem por perto vai pra dentro de sua boca em milésimos de segundo. A velocidade dessa sucção é tão grande que o deslocamento de água/ar é tão forte causa o estouro dentro da água, barulho este ouvido fora da água também, um forte estampido.

Neste deslocamento da isca ou peixe vivo no ato da sucção até chegar a boca do Pirarucu é tão rápido e forte que, com certeza o peixinho já morre durante esse deslocamento, tamanha a brutalidade. Essa