Fazenda Pacu - Mais uma super pescaria neste paraíso mineiro


Local: Fazenda Pacu - Inhauma - MG Data: 21 de março de 2014

Olá amigos do Fishingtur,

Novamente no estado de Minas Gerais nossa equipe passou pelas cidades de Nova Serrana, Esmeraldas e para finalizar nossa expedição, chegamos na cidade de Inhaúma, interior do estado de Minas Gerais.

Nosso destino seria a Fazenda Pacu. E já na estradinha para chegar ao pesqueiro, já fomos presenteados com lindas imagens.

Assim que chegamos, fomos muito bem recepcionados pelo gerente e amigo Ismael, o qual estava preparando o café da manhã. Aproveitamos para saborear e nos satisfazer com tamanha qualidade e diversidade do café da manhã na Fazenda Pacu. Depois disso nos dirigimos ao chalé onde ficaríamos até o próximo dia. Arrumamos nossas tralhas e bem em frente ao nosso chalé, o Júnior fez alguns arremessos com as artificiais e fisgou uma bonita Traíra.

Tralhas arrumadas, nos dirigimos para a lateral do lago, no aterro, local que fica entre os dois lagos do pesqueiro. Em meu terceiro arremesso já começaram as explosões e engatei o primeiro Tambacu, fisgado nas anteninhas confeccionadas pelas Bóias Barão. Um bonito exemplar que deu muito trabalho e literalmente desfilou nas águas transparentes da Fazenda Pacu.

Uma dica para os amigos que irão a Fazenda Pacu, é usa chicotes de 4 a 5 metros nas bóias cevadeiras, pois o peixe é manhoso e sobre longe da cevadeira.

Logo depois o Júnior também fisgou outro belo peixe com os eva's e também sentiu a voracidade e agressividade desses peixes.

Agora com uma bóia torpedo com chicote de 3 metros e como isca o beijinho, o Júnior teve algumas ações, entre elas uma Pirampeba.

O vento estava forte e levando a ração e os peixes para a margem oposta, o jeito foi pegar as tralhas e ir pescar bem em frente aos chalés, local onde os peixes estavam subindo.

Bastaram alguns arremessos para eu engatar outro Tambacu, este fisgado com chicote de 4 metros, bóinha, anzol chinú com ração labina a 10cm de profundidade.

Logo depois, engatei outro exemplar também fisgado com a Labina na cevadeira. E o Júnior também veio na onda com outro tambacu que brigou muito.

Um pouco antes do almoço seguimos para o lago principal e nos instalamos bem ao lado do restaurante, onde estavam nossos amigos e leitores do estado de MG.

Fiz alguns arremessos e os tambacus já começaram a subir. Eu estava com a Bóia cevadeira Barão, chicote de 4 metros de linha mono 0,50mm com anzol chinú 9 e como isca a ração labina. Bastaram mais dois arremessos e uma forte explosão fez desaparecer minha bóia e quase tomou a vara de minha mão. O resultado foi um lindo Tambacu, o que tive o prazer de dividir a foto com os amigos mineiros.

Os peixes estavam respondendo muito bem com as cevadeiras e as fisgadas eram constantes. Eu e o Claudinho fisgamos mais dois exemplares com a ração Labina.

No final da tarde o Júnior fisgou um Tambacu com uma coloração muito bonita, com a parte d afrente