Fazenda Paraná - O Fishingtur foi conhecer de perto a casa dos gigantes em MG


Local: Fazenda Paraná - Nova Serrana - Minas Gerais Data: Maio de 2012

Olá Amigos,

Nossa equipe foi convidada pelo amigo Klebinho para conhecer a famosa Fazenda Paraná, um grande cetro de pesca esportiva no centro-oeste mineiro. Como estávamos de viagem marcada para outros pesqueiros da região, adicionamos mais esta visita em nossa agenda.

Saímos de São Paulo pela Rodovia Fernão Dias, e no Km 617, pegamos a saída para Oliveira, seguindo pela BR 494 no sentido de Nova Serrana, passando por Divinópolis e outras cidades. A distância média de SP até o Pesqueiro foi de 500km.

Antes mesmo de nossa viagem, pesquisamos muito sobre o local, e achamos poucas, mas boas informações que nos animaram e muito. E fazendo parte de nossa pesquisa a medição do lago nos ajudou a separar equipamentos para grandes arremessos, pois as dimensões do lago eram extravagantes.

Chegamos a Fazenda Paraná no sábado por volta das 13h, ficamos admirados pelo tamanho do empreendimento e de longe já avistamos o imenso lago, que realmente tem proporções exorbitantes, se comparado aos tradicionais pesqueiros.

Assim que paramos o carro fomos gentilmente recebidos pelo Klebinho que nos levou até a recepção onde pudemos ver uma série de fotos no mural. O tamanho dos peixes chegou a impressionar e depois de uma belo bate papo, o Kleber nos levou até a sede da fazenda onde ficaríamos hospedados e lá conhecemos seu pai Kleber, sua mãe Rose e a tia Ruth, todos muito receptivos com nossa equipe. Descarregamos nossas bagagens e voltamos para a recepção, onde conhecemos um pouco mais da estrutura do lago como o grande deck, aqui chamado de ilha que é o principal ponto de pesca da Fazenda Paraná.

Além desta ilha, 80% do lago esportivo é propício para a pesca, sendo que em alguns pontos, tem coberturas e até mesmo um grande deck que fica na margem oposta ao restaurante. Todos com ótimos pontos de arremessos e uma grande probabilidade de se fisgar os grandes peixes.

Desde 1985, há 27 anos, a Fazenda Paraná vem desenvolvendo a criação de peixes em um dos projetos pioneiros de piscicultura do Brasil e com isso ganhando experiência e reconhecimento.

Como resultado desse trabalho e com a intenção de poder compartilhar com mais pessoas este espaço tão especial, é que em 2000 foi implantado o centro de pesca esportiva.

Uma ótima estrutura que oferece a oportunidade de passar momentos marcantes, travando boas disputas com peixes, que só perdem em tamanho para sua emoção, além do conforto e bom atendimento que são marcas registradas desse trabalho.

E foi por este motivo que chegamos até a Fazenda Paraná, para comprovar a qualidade do local, os grandes peixes e o perfeito atendimento.

A família do Klebinho trabalha a décadas na criação de peixes e em especial, foram os pioneiros na criação e desenvolvimento dos Tambacus, espécie híbrida que hoje está presente em todos os pesqueiros do Brasil.

Exemplares criados a quase 30 anos ainda estão no lago esportivo e estes ultrapassam os 45 kilos facilmente, fala-se até em exemplares de Tambacus acima dos 50 kilos. Isso se falar nos Surubins e Pincacharas que facilmente passam dos 35kilos e grandes Dourados de até 22kilos.

E foi neste ritmo que passamos praticamente a tarde toda conversando com o Klebinho e clientes que ali passavam.

O relógio já marcava 16h quando resolvemos descer para o lago. Como a ilha e os decks estavam bem cheios, resolvemos dar a volta no lago e ficar na margem oposta.

Começamos com as bóias cevadeiras, vimos muitos corimbas, piaus e pequenos tambas comendo, mas muito tímidos ainda. Partimos então para a pescaria com salsicha flutuando e foi onde vimos grandes rebojos e alguns ataques sem maiores resultados.

O Saulo então levou uma de suas varas até o deck coberto que já estava vazio, deixou a vara inclinada e uma salsicha flutuando bem rente as bases do deck, feitas como palafitas. Não demorou muito e uma forte explosão foi o suficiente para ver a vara envergar e a linha esticar para baixo do deck.

Saímos correndo e quando chegamos o peixe estava tomando muita linha. Tivemos muito trabalho e com calma conseguimos aos poucos trazer o peixe que tinha trançado no mínimo por umas quatro bases do deck e depois disso tudo vimos uma grande Pincachara aparecer para nossa alegria. Trouxemos o peixe até a margem e com o passaguá tentamos levantá-la, mas apenas metade do peixe estava preso, o Saulo precisou largar seu equipamento e ajudar a segurar o peixe pelo rabo.

Depois deste peixe, retornamos para a margem próxima a recepção e depois de um novo bate-papo e agora com a ilha vazia, nos instalamos por ali para pescarmos durante a noite.

Pescamos basicamente em duas modalidades: Salsicha Flutuando e Massa Paturi Carnívora de fundo. Ambas com bons resultados durante a noite fria que passamos na beira do lago.

Lembrando a todos os amigos que o item essencial para uma pesca noturna é uma boa lanterna, tanto para procurar as tralhas, fazer nós, tirar o anzol do peixe, e muito mais. A equipe Fishingtur está equipada com as Lanternas recarregáveis Rayovac. Uma ótima opção para sua pescaria noturna.

A medida que a madrugada avançava, o frio ia aumentando, mas não desistimos e continuamos na ativa atrás dos grandes peixes. Sabíamos que seria difícil pela época do ano e pelo frio, mas aos poucos fomos fisgando alguns exemplares, ora na salsicha, ora na massa.

No final da madrugada fomos dormir e acordamos por volta das 12h, escutando uma boa música caipira. Levantamos, fizemos uma rápido café da manhã e fomos até o palco, onde observamos uma boa quantidade de clientes nas mesas almoçando e curtindo uma boa música ao vivo. O pesqueiro Fazenda Paraná oferece este serviço de música ao vivo. E em breve, aos sábados muita feijoada com pagode também.

Como o pesqueiro realmente estava bem cheio, o Klebinho nos convidou para pescar em seu deck particular, que fica em um dos cantos do lago, praticamente no quintal de sua casa, um canto do lago com pouco acesso de outros pescadores e foi ali que chegamos e o Kleber jogou algumas carambolas de uma grande árvore na margem do lago, bastou elas caírem na água para ver os tambacus subindo e atacando uma a uma.

Não pensei duas vezes, peguei uma carambola, isquei e simplesmente soltei ela na água e foi fatal, um ataque certeiro e linha esticada com o pequeno tambacu. O Saulo fez a mesma coisa, só que com um pedaço de salsicha e o bote mais uma vez foi certeiro.

Como a Fazenda Paraná tem um grande pomar com uma quantidade grande de frutas, a grande maioria acaba virando comida de peixe. Ficamos impressionados com os relatos do Klebinho e seu pai sobre isso. Já chegaram a jogar caixas e caixas de manga, goiaba e outras frutas e os peixes acabaram com tudo muito rápido.

Já estávamos próximo das 14h, quando vimos várias manchas negras desfilando pelo lago, eram Tambacus de grande porte, grande mesmo. Aguardei um deles chegar mais perto e arremessei 1/2 salsicha flutuando bem próximo dele. O peixe passou perto, deu uma volta, passou por baixo, rodou e quando menos esperava veio uma forte explosão e antes mesmo de eu pensar em fisgar a linha já estava esticada e a vara envergada no limite, o peixe incrivelmente puxou meus 100mts de linha 0,37mm em poucos segundos, quando percebi que a linha estava acabando, simplesmente baixei a cabeça e esperei a linha estourar no fundo do carretel, isso porque a fricção estava bem regulada e eu com os dedos no carretel. Foi incrível.

Não desanimei, montei tudo novamente e continuei na mesma modalidade, enquanto o Saulo também levou duas boas explosões, mas ambas com linhas estouradas. Segundo o Klebinho, estes que ficam na superfície são os grandes tambacus que podem chegar segundo ele a mais de 45kg aqui na Fazenda Paraná.

Continuei na salsicha e assim que aparecia um tamba na superfície, já arremessava a salsicha próxima a ele. Era esperar um pouco e ver o bote certeiro seguido de uma grande explosão. Mas agora dei sorte, o peixe correu para a lateral e só depois seguiu para o meio do lago. Mesmo assim o carretel foi praticamente inteiro, mas consegui controlar o bicho e depois de uns bons minutos de briga o grande tambacu encostou e o retiramos com o auxílio de um passaguá. Pense em um peixe bravo, agora multiplique por 15, é de cansar o braço.

Como já estava tarde, deixamos a pescaria de lado e seguimos para o restaurante, onde saboreamos uma ótima refeição. O restaurante além de servir os pratos executivos, serve também ótimas porções.

A Fazenda Paraná conta com um grande bar de apoio, playground e muita diversão para toda a família.

Depois de saborear um bom almoço e uma ótima música ao vivo, retornamos ao deck onde estávamos e vimos muitos, mas muitos tambacus na superfície.

Eu estava com uma vara de 7'0, de 25/30 libras, com carretilha de perfil baixo com 100 mts de mono 0,37mm. Montei outro equipamento com uma vara de 6'6 de 25 libras com carretilha de perfil baixo com 90mts de multi 50 libras. Ambos para a pesca com salsicha flutuando.

Arremessei a vara com multi e fui até o freezer para pegar mais salsichas e quando voltei minha vara estava enverga e o carretel pela metade, porém o peixe estava parado e a linha estivada para o meio do lago. Bastou eu segurar a vara e fazer um pequeno movimento, para o peixe começar a nadar para o meio bem devagar, a linha saía da carretilha palmo a palmo, em um movimento lento e constante e assim ele puxou os 50 metros restantes de linha, isso porque a carretilha estava com o freio bem fechado em função do multifilamento e o meu dedo no carretel. Mas não teve jeito, quando vi o nó no fundo do carretel, mais uma vez baixei a cabeça dando ponta de vara e esperei a estilingada, mas a linha não estourou, e ao recolher apenas vi o anzol virar um alfinete de tão reto que estava. Mais uma vez, inacreditável !!

Novamente iscas na água e rapidamente outra explosão, fisguei e já com o dedo travado no carretel, consegui controlar a primeira corrida do peixe, este que brigou mais por perto, porém uma briga mais demorada, nadando de um lado para outro por muito tempo, parecia não se importar com o anzol na boca. Um fato que nos chamou a atenção foi dos peixes brigarem o tempo todo na superfície. Uma pescaria 100% no visual.

No final do dia dei uma volta ao redor da sede e do lago da Fazenda Paraná e fotografei muitas aves que completam o perfeito cenário de uma fazenda mineira.

A noite já estava chegando, acompanhada de um belo luar, quando voltamos ao lago para tentar fisgar mais alguns exemplares.

Arremessei uma salsicha flutuando bem próximo a margem, bem embaixo de uma goiabeira e estávamos de bate-papo quando após uma explosão, vi minha varinha envergada e a linha rasgando a água da lateral para o meio do lago. Fui correndo até o equipamento, tive dificuldade para tirar a mesma do suporte pois a força era tamanha, mas tudo sob controle e para nossa surpresa, era uma linda e pura Cachara.

Após as 20h o frio tomava conta de todo o lago, dificultando a pescaria. Fisgamos mais alguns exemplares na salsicha e fomos dormir mais cedo.

Na manhã seguinte, depois de saborear uma ótimo café da manhã, seguimos para o pomar, onde literalmente fizemos a festa com as laranjas, mexericas e outras frutas.

Nesta manhã, o vento estava muito forte, escolhemos ficar na ilha e optamos em fazer uma pescaria com as bóias torpedo, chicote de 80cm e como isca, pequenos pedaços de peixe. arremessávamos bem no meio do lago e com o vento as bóias iam descendo para a margem oposta e quando menos esperávamos a linha já estava esticada. Fisgamos uma série de peixes nesta modalidade, inclusive uma bonita Piracanjuba.

Ainda na parte da manhã, deixamos a pescaria e a convite do Klebinho, fomos conhecer o resto da Fazenda Paraná, como os outros lagos, gados e outros animais que fazem parte deste maravilhoso lugar.

A Fazenda Paraná tem como destaque a criação de gado da Raça Caracu. A Raça Caracu é descendente dos animais dos troncos Bos Tauros Ibericus e os Bos Taurus Aquitanicus, basicamente trazidos para o Brasil pelos colonizadores portugueses.

A raça teve seu apogeu nas décadas de 30 e 40. Depois desta época a preocupação exagerada com características raciais e com uniformidades levou a seleção do Caracu para um declínio produtivo. Aliado à entrada do Zebu através de seus mestiços com as raças nativas, produziu animais excelentes para a criação extensiva. Com a falta de conhecimento da época, o mérito dos cruzamentos, que deveria ser das duas raças, foi dado todo para o Zebu.

Paralelamente a este desastre oficial, criadores que acreditavam no potencial destes animais além de preservarem o material genético, promoveram o melhoramento, tanto para o desempenho quanto para a produção láctea.

O que mais chama atenção na Raça Caracu, por ser de origem européia (Bos Taurus) é a extraordinária adaptação ao clima tropical e sub-tropical. A seleção Natural provocou modificações anatômicas e fisiológicas que lhe proporcionaram as seguintes características: Pêlo curto, Resistência ao calor, Resistência a endo e ectoparasitas, Facilidade de locomoção (bons aprumos), Cascos resistentes, Umbigo curto e sem prolapso, Capacidade de digerir fibras grosseiras e Facilidade de parto.

Os Caracus tem chifre alaranjado, com saída para os lados; orelhas pequenas; pelagem nos vários tons de amarelo, sem pêlos ou manchas brancas.

Em regime exclusivo de pasto, o peso médio das vacas está em torno de 550 a 650 kg. Tendo casos de até 750 kg. Os Touros pesam ao redor de 1.000 kg. podendo chegar à 1.200 kg. Aos dois anos as novilhas atingem cerca de 400 kg., existindo alguns animais que chegam a pesar 500 kg. Os bezerros de um ano atingem uma média de 300 kg. devido à boa habilidade materna das matrizes.

Segue algumas fotos de grandes campeões da Fazenda Paraná:

Para interessados na raça Caracu, entrar em contato:

Telefones: Fazenda-(37)3259-9737 Escritório-(31)3411-7100

Continuando com nosso passeio, pela fazenda, passamos pelo curral dos carneiros, sempre brincalhões e dóceis.

Mas o vício na pescaria sempre fala mais alto e no final da tarde, voltamos ao deck e nos primeiros arremessos, agora com pequenos pedaços de peixe no fundo e na bóia, fisgamos em sequencia mais dois exemplares de redondos.

Começamos então a cevar bastante, vimos primeiro muitos piaus e curimbas, depois pacus e no final da ceva, muitos bigodes estavam subindo. Foi o suficiente para eu arremessar uma salsicha flutuando no meio da ceva e não demorou 10 segundos e a linha começou a esticar lentamente, fisguei e uma briga agora no fundo e com corridas para a margem, denunciava ser um peixe de couro. E estava certo, era uma bonita Pincachara.

Mesmo depois de anoitecer, continuamos a cevar e na sequencia arremessávamos as salsichas na ceva. Fisgamos mais três exemplares de tambas e perdemos outros dois.

Com estes, encerramos a nossa pescaria na Fazenda Paraná. Nestes dias que ficamos pela fazenda, ao andar ao redor do lago, vi muitos tambacus e pintados acima dos 25kg nos barrancos. A Quantidade de peixes grandes é visível, isso sem falar nos dourados saltando no meio do lago.

Perguntei ao Klebinho e seu pai, quantos tambas acima dos 20kg eles tem neste lago e depois de muito pensar, o Sr, Kleber respondeu: -Acima dos 20kg creio que uns 500 peixes. Já o Klebinho acredita ter mais de 800 peças acima dos 20kg, não citando a grande quantidade de Pincacharas e dourados de grande porte.

Eu conheço muitos, mas muitos pesqueiros em todo o Brasil, mas confesso que fiquei impressionado com a quantidade de peixes que ví e pela força dos peixes que fisguei. Realmente incrível !!!

Segue abaixo algumas fotos cedidas pelo pesqueiro de alguns exemplares fisgados por clientes:

Aproveitamos e também fomos conhecer o Canil, gerenciado pelo irmão do Klebinho, canil que também fica dentro da Fazenda Paraná. A raça criada nesta estrutura é o gigante Fila, e realmente é de assustar a qualquer um os fortes latidos desta patota. Aos interessados em adquirir um lindo filhote, entrar em contato pelo Tel: 031 3503 7100 c/ Marcos Flávio.

A Fazenda Paraná também desenvolve a criação de pequenas galinhas para venda, visitamos o galinheiro e apreciamos de perto a beleza e o colorido de cada animal.

Para concluir esta matéria, só tenho a agradecer de coração a toda a família "Fazenda Paraná" por toda a recepção e confiança para com a nossa equipe. Agradeço em especial ao Klebinho, Kleber e Rose por toda a amizade e hospitalidade.

Lembramos que a Fazenda Paraná funciona de terça a domingo das 8h as 18h com pesca noturna em alguns dias da semana até as 22h.

O Local não oferece hospedagem ainda, mas aos amigos que percorrem grandes distâncias, uma alternativa é ficar hospedado nas cidades de Nova Serrana ou Divinópolis, ambas bem perto do pesqueiro.

Para uma maior comodidade na localização, segue os pontos GPS da Fazenda Paraná:

19 55'46.11"S - 44 56'30.90"O

Um abraço a todos os nossos leitores e fica aqui uma ótima opção de pescaria e lazer com grandes exemplares,

Marcio David

Fotos por Marcio David e Saulo Texto por Marcio David Edição por Marcio David

#fazendaparana #pesqueiro #fazenda #tambacugigante #tambacu #tamba #pincachara #peixesgigantes #fishingtur

Carretilhas de Pesca Penn
Contato Fishingtur

Parceiros

bruta.png
Lumis.png
Enz Miçangas e evas
LogoSimon.png
girls fishing lovers.png
Logo.png
universo da pesca.png
Oculos Matuto.png
ESTILO GOIANO.png
go pro 1.png
massa paturi.png
boias de pesca, boia cevadira, boia torpedo
Logo Completo Colorido recorte.png
Logo Step quadrado Tranparencia.png

Step'lc Confecções

Rua Nova Cidade - Vila Olímpia - São Paulo - SP

273.441.558-50

fishingturpesca@gmail.com

Prazo de Entrega da Loja de 10 a 14 dias úteis

O maior portal de Pesca e Turismo do Brasil

Fishingtur Pesca e Turismo 2007