Hotel Fazenda Solar do Engenho - Um paraíso em MG


Local: Hotel Fazenda Solar do Engenho - Sete Lagoas - MG Data: 22 de dezembro de 2013

Olá amigos do Fishingtur,

Nossa equipe fez uma expedição ao estado de Minas Gerais e hoje temos o prazer de mostrar a todos vocês uma nova opção de pescaria e hospedagem. E nesta matéria vamos pela primeira vez mostrar dois pontos de vista sobre a mesma pescaria, Eu(Marcio) e o Fernando escrevendo juntos passo a passo como foi nossa estada neste maravilhoso local.

por Fernando: Nosso destino desta vez foi o estado de Minas Gerais, onde se encontram grandes pesqueiros com um potencial incrível, e como de costume trouxemos mais uma novidade para vocês, eu (Fernando), Marcio David e Sr. Adimir nos dirigimos ao Hotel Fazenda Solar Do Engenho, localizado na cidade de Sete lagoas, um local muito luxuoso, com acomodações excelentes, um bom lago para pesca, e um restaurante fora de série, fora a piscina e área de lazer.

E logo que chegamos, fomos recepcionados por um excelente café da manhã com uma vasta opção de pães, sucos, doces e muito mais...

por Marcio David: Eu já havia entrado em contato com o Solar do Engenho a mais de um ano, mas as datas nunca batiam, mas desta vez, conversei com o Marquinhos, o qual nos recebeu muito bem e conseguimos acertar as datas e fizemos nossa primeira visita ao Solar do Engenho. O local impressiona, pois é de uma beleza ímpar, tudo dentro da fazenda foi e está sendo preservado, desde a arquitetura antiga aos móveis rústicos. Como chegamos bem cedo, o café estava sendo servido e fomos convidados a saborear o tradicional café mineiro.

por Fernando: Após um excelente café da manhã, fomos direto para o lago, onde começamos uma conversa com os funcionários do lago, para saber um pouco do que íamos encontrar, e as notícias se resumiam em atividade total de todas as espécies que habitam o piscoso lago do Solar do Engenho, e vale ressaltar que lá se encontra uma grande quantidade de peixe e de espécies, entre elas, a Pirarara, tambaqui, tambacu, grandes traíras, tilápias, matrinxãs, pincacharas e cachapiras.

Equipamentos prontos, e iscas na água, e em menos de 10 minutos de pescaria, já fomos presenteados com uma bela pirarara mineira, que não resistiu a cabeça de Tilápia arremessada a 5 metros da margem.

por Marcio David: Assim que chegamos no lago começamos a montar as tralhas, O Fernando estava louco para pegar uma Pirarara, peixe preferido dele, então começou a montar seus equipamentos voltado a pesca delas. Enquanto isso, montei rapidamente um conjunto da Shakespeare e Abu Garcia, com a Vara Ugly Stick de 17 libras e a carretilha Revo S da Abu Garcia, com linha 0,37mm. Coloquei apenas um anzol modelo 12146 6/0 e isquei uma cabeça de tilápia, Arremessei a uns 5 metros e pensei:"-vou pegar uma Pira só pra zuar o Fernando". E não deu outra, em menos de 5 minutos, antes mesmo dele acabar de montar suas varas eu já estava brigando com essa bela Pirarara, que brigou muito no equipamento leve.

por Fernando: A recepção não poderia ser melhor, e após a soltura começamos a cevar para ver como os grandes redondos estavam se comportando, e muitos peixes subiram na ração, então mandamos as Bóias Cevadeiras Barão, com chicote de 2 metros, bóia guia, anzol chinu 9 e como isca a famosa ração na pinga com essência de goiaba, e foi fatal.

por marcio David: Apesar do mal tempo, muita garôa forte o tempo todo, o peixe estava muito ativo e respondendo bem na ceva. Fizemos uma boa sequencia de fisgadas na raçãozinha

por Fernando: Fomos com o intuito de mostrar a vocês todas as espécies que habitavam o lago, e então montamos os sistemos mais variados, e a resposta vinha constantemente, desta vez, uma grande cachapira ataca a salsicha flutuando encostada na margem, e vale ressaltar que utilizamos nessa pescaria os excelentes e consagrados equipamentos da ABU GARCIA.

por Marcio David: Montei outro equipamento, com a Vara Vendetta e a carretilha Revo STX, ambos da Abu Garcia. Reparei na margem lateral que o capim estava mais alto e boa parte na água. Não pensei duas vezes e deixei minha vara armada bem nesta margem, com a salsicha flutuando a 30cm da margem. Voltei ao nosso quiosque e começamos a pescar os tambas, mas quando olho, a varinha estava bebendo água. Saí correndo, tirei a vara do suporte e comecei uma briga das boas com a danada da cachapira.

por Fernando: Os peixes não davam trégua, era só arremessar as Cevaderias Barão e já tinha peixe atacando, era um verdadeiro festival de peixes na superfície e fomos capturando vários, tanto na ração na pinga quanto no EVA. E até uma traíra que estava prá lá e prá cá foi capturada, visto que tem muitas, o Marcio só desceu o anzol na frente dela, sem isca sem nada, e na segunda movimentada, ela abocanhou com tudo.

por Marcio David: As ações dos redondos era constante, bastava uma copada e os peixes já apareciam. Além dos Tambas, consegui fisgar uma bonita Tilápia na ração e ao andar pela margem, vi algumas traíras e retornando do local que estava minha vara de salsicha, vi uma dessas traíras entre as pedras, mas eu estava sem isca, porém isso não quer dizer nada, apenas desci o anzol bem na frente da pedra e fiz alguns movimentos e foi fatal, a bocada foi certeira e depois de muitas risadas, ela também foi para a foto, quase no mesmo instante que o Sr. Adimir quase perdeu sua vara que estava com salsicha flutuando na margem. A cachapira puxou tão forte que o suporte entortou e quase que a vara foi prá água. Ele teve que correr para chegar a tempo.

por Fernando: Com a hora do almoço se aproximando, resolvemos então dar uma pausa na pescaria, e fomos para o restaurante, já aproveitamos e registramos tudo para vocês, olha o nível do almoço, que espetacular, sem contar as sobremesas. O Marcio que o diga, kkkkkkkk.

por Marcio David: Realmente quase que me deliciei com a sobremesa antes mesmo de almoçar.

Sem dúvida um lugar para apreciar o que há de melhor na culinária mineira. O Restaurante Engenho é reconhecido pelo Guia 4 Rodas pois oferece um ambiente agradável e amplo com uma decoração rústica e um atendimento de qualidade.

O Buffet é servido em um típico fogão a lenha onde a comida é feita durante todo o dia e os clientes podem assistir cada passo dos cozinheiros além de desfrutar de variados tipos de saladas e uma mesa de sobremesas repleta de delícias feitas por quem sabe cada segredo da verdadeira cozinha mineira. O almoço é servido todos os dias da semana das 11:00hs às 16:00hs.

por Fernando: Voltando para o lago, antes de reiniciarmos, um funcionário nos deu um toque, dizendo que os verdões do lago estavam muito acostumados a comer p40, e se utilizamos de isca, com certeza pegaríamos eles. DITO E FEITO, cevamos um pouco e a p40 a um palminho da superfície já fez sucesso. Resultado foi um belo VERDÃO

por Marcio David: Eu ouvi o Fernando conversando com o rapaz que trabalha no pesqueiro e no mesmo instante montei um chicotinho com anzol chinú n. 9 e uma ração P40, no segundo arremesso a bóinha afundou e eu fisguei. Imediatamente o peixe saiu em disparada para a lateral do lago, nadando rapidamente de um lado para outro e bem na superfície, catacterística dos verdões legítimos. Eu sai gritando para provocar o Fernando e o Adimir: "-É verdão, é o verdão !!! Mas eles não acreditável até que a mancha amarelona na água apareceu e eles aí sim acreditaram. Foi bem engraçado esse momento.

por Fernando: Com as ações dos redondos na superfície a todo vapor, pensei então em ver o que estava comendo um pouco mais abaixo e então troquei a cevadeira por um torpedo das Bóias Barão e coloquei um chicote de 1 metro e meio e como isca o famoso beijinho, e em menos de 5 minutos com a bóia na água, já bati o primeiro comedor de beijinho, e já vim para o duble com o sr adimir que capturou na superfície com p40 e o Marcio também, com p40 na superfície e evas.

por Marcio David: O Fernando com o beijinho, o Sr. Adimir com ração e eu com os evas, sempre com fisgadas e peixe na foto. Esse lago do Solar do Engenho realmente é muito piscoso.

por Fernando: Conforme a tarde se aproximava as ações dos tambas só melhoravam, e com isso as capturas, era incessantes. Fora os redondos, outra cachapira veio para a foto, pega na salsicha flutuando encostada na margem.

por Marcio David: Arremessei minha cevadeira errado, cau bem fora da ceva e não subiu nenhum peixe. Coloquei a vara no suporte e comecei a conversar com eles. Quando olhei a bóia tinha sumido. Comecei a recolher mas o peixe tinha nadado a favor e já estava bem perto até que consegui esticar a linha e fisgar e aí sim ele foi de novo pro meio do lago com a tradicional briga que já denunciava ser outro verdão.

E as Cachapiras estavam bem ativas, a vara do sr. Adimir com salsicha que estava na margem foi atacada dezenas de vezes, mas a maioria conseguia roubar a salsicha até que olhamos para o lado e o Sr. Adimir estava correndo, ou seja, vara envergada e Cachapira na foto. E os Tambas, enfim, sempre tinha vara envergada.