Kiki Turismo - Uma espetacular pescaria em Minas Gerais com o Fishingtur


Local: Pesqueiro Fazenda Kiki – Pedro Leopoldo – MG Data: 26 e 27 de setembro de 2012

Olá Amigos,

Nossa equipe, desta vez com a presença de Marcio David, Adimir David, Felipe Mattos e Léo Paturi, saiu de São Paulo de carro em uma viagem super tranquila pela Rodovia Fernão Dias, seguindo até a cidade de Belo Horizonte, onde seguimos as placas para a cidade de Pedro Leopoldo, cerca de 40 km de BH.

Chegamos a Fazenda Kiki por volta das 9:00h da manhã, fomos muito bem recebidos pelo amigo Pierre e seus familiares, os quais preparam um ótimo café da manhã.

Na sequencia levamos nossas coisas para os chalés e seguimos rapidamente para o lago esportivo. O clima estava frio e estávamos vindo de uma semana com temperaturas baixíssimas, mas acreditando no potencial da Fazenda Kiki, começamos a montar os equipamentos.

Não demorou muito e o Pierre apareceu com a sua mais nova invenção, o "Lancha-nete", ou seja, uma barco, uma lancha, o qual recebeu rodas e motor e hoje está servindo como lanchonete na beira do lago. O Pierre então nos trouxe 2 baldes de ração e o isopor com bebidas.

Nos acomodamos em dois quiosques e aos poucos os equipamentos estavam montados.

EQUIPAMENTOS

Montamos equipamentos médio-pesados para a pesca das Pirararas, com varas de 30 a 100 libras e carretilhas de perfil redondo com linhas 0,45 a 0,50mm. Entre elas:

Vara Ugly Stik Tiger Lite 6'3" - 50-100lbs - Shakespeare Carretilha Record - Abu Garcia Linha mono 0,50mm

Vara Ugly Stik 6'6" - 12-30lbs - Shakespeare Molinete com linha mono 0,40mm

Para a pesca dos redondos com as bóias cevadeiras, usamos varas de 6'6" a 7'0" de 15 a 30 libras.

Outra modalidade bem diferente e que aqui na Fazenda Kiki tem ótimos resultados, é a pescaria de barranco, que nada mais é do que deixar a vara no suporte na posição horizontal e apenas descer a isca até a água, deixando-a na superfície (salsicha, pão, sebo ou ração), desta forma a isca ficava de 50cm a 1,5mts do barranco.

Para esta modalidade usei dois conjuntos da Abu Garcia:

Vara Vendetta 6'3" - 8-17lbs - Abu Garcia Carretilha Revo S - Abu Garcia Linha mono 0,37mm

Vara Verdict 7'0" - 12-25lbs - Abu Garcia Carretilha Revo Premium - Abu Garcia Multi 65lbs

ISCAS

Para as Pirararas, montamos as varas apenas com chicotes de 40cm de linha mono 0,50 e 0,60mm com girador e anzol modelo 12146-MS 6/0 e 8/0. As iscas para as Pirararas variaram de cabeça de tilápia e pedaços de tilápia.

Nas bóias cevadeiras usamos apenas os tradicionais eva's com miçangas nas cores caramelo, marrom e cor de ração. Montamos as bóias cevadeiras gigante e grande com 2 mts de linha mono 0,45mm, boinha e 4 evas e miçanga no anzol wide gap 3/0.

A pescaria de barranco foi feita com sebo, pão e salsicha flutuando. Usamos a salsicha também para arremessos no meio do lago com ótimas fisgadas.

O conjunto com salsicha flutuando foi montado somente com o anzol worm, anzol de blackbass direto na linha da carretilha.

Os conjuntos para a pesca com o sebo e com o pão foram montados com anzol direto na linha da carretilha ou com um pequeno chicote de linha mono 0,45mm com anzol modelo 12 146-MS 4/0 a 5/0.

PESCARIA

Reparem nos horários de cada foto e veja as sequencias das fisgadas.

Depois de todos equipamentos montados, iscados e arremessados, ou deixados na beira do barranco, começamos a pescaria com bóias cevadeiras. Bastou poucos arremessos para já ver uma grande movimentação no meio do lago.

Veja as fotos a seguir e tente imaginar tudo o que passamos nestes dois dias de pescaria na Fazenda Kiki. É de fazer inveja...

A cada copada era um festival de peixes na superfície e podemos dizer que nesta manhã, a cada 3 arremessos, era um peixe fisgado. Lembrando que não fotografamos peixes abaixo de três kilos. Sempre nos chicotes com eva's e miçanga. Nós estávamos cevando bem no meio do lago.

Até que uma das varas de nosso amigo Léo envergou. A Massa Carnívora Paturi a 15mts da margem rendeu uma boa briga e garantiu a primeira Pirarara da pescaria e o primeiro exemplar da espécie de nosso amigo Léo, fazendo dublê com um tambacu do Sr. Adimir.

A medida que o sol ia esquentando a manhã que estava gelada, os peixes começaram a subir cada vez mais. A esta altura estávamos colocando só um pouquinho de ração nas cevadeiras e era suficiente para garantir dezenas de tambas na ceva. Era esperar e garantir a fisgada na hora certa.

As 13h escutamos o sino do restaurante, recolhemos as varas e seguimos para saborear a típica cozinha mineira. Fomos recebidos no restaurante por toda a equipe da Fazenda Kiki, sempre com muita alegria, prosa e piadas.

O almoço, só de lembrar já me dá fome, comida caseira de ótima qualidade e um ambiente totalmente familiar fazem da Kiki uma ótima opção para o amigo pescador e toda a sua família.

Depois do almoço retornamos ao lago, mesmo com muita preguiça, mas bastou o primeiro arremessar a cevadeira para os peixes explodirem na bóia, motivo de todos mandarem a preguiça embora e começarem os arremessos.

Vários Tambacus até que o Sr. Adimir fisgou um Tambaqui, facilmente diferenciado na briga mais forte e rápida até que o verdão encostou na margem. O Felipe também fisgou uma bela tilápia nos eva's.

Na parte da tarde deixei um pouco a pescaria de cevadeiras e dei atenção maior para as varas que estavam com as iscas no barranco, eram duas varas minhas e duas do Felipe, todas bem perto uma da outra.

Coloquei uma cadeirinha atrás e fiquei na espera. A todo momento grandes tambacus passavam por ali bem abaixo das iscas, rodavam, iam e vinham mas não atacavam.

Alguns até chegavam até a isca (salsicha e sebo) mordiam bem de leve, mas ao sentir a linha ou a vara envergando, soltavam rapidamente.

Diminui o tamanho das iscas e deixe todas metade dentro da água e metade fora da água, mas os ataques manhosos ainda não estavam dando resultados.

Voltei então a pescaria com cevadeiras garantindo mais alguns exemplares. Fiz um arremesso com a salsicha flutuando a uns 10 mts da margem e fisguei mais um bom redondo.

Passando das 17h, voltei a focar a pescaria na margem. Agora a cada 2 minutos era um grande tambacu que tentava morder a isca, mas já chegava com medo e não arrastava tudo. Alguns até envergavam a vara todinha, mas soltavam.

O jeito foi abrir a fricção e deixar as varas soltas, e foi aí que bem em minha frente apareceu um tambacu muito grande, na verdade eram dois, um deles com mais de 25kg tranquilamente. Eu estava quase que com a mão na carretilha e ele ali a menos de dois metros de distância. O grandão subiu, mordeu a salsicha, envergou a vara e lentamente começo a puxar a linha, mas balancei a vara para tirar do suporte e ele soltou. O impressionante é que mesmo com a força para envergar a vara e puxar a linha, ele soltou a salsicha intacta.

Foi só ele soltar a salsicha e eu esticar a linha e o outro subiu lentamente, deu tempo de soltar o carretel e ele abocanhou a salsicha, envergou a vara e deixei ele descer com a isca. Travei o carretel e fisguei com suporte e tudo e foi fatal, o bicho estava preso e tomando linha. Foi até difícil de tirar a vara do suporte mas consegui. Uma boa briga e o grande brancão apareceu na margem.

Aqui na Kiki é comum ver esses grandes Brancões passeando perto da margem em busca de comida.

Enquanto eu estava tirando as fotos, o Sr. Adimir fisgou um belo redondo na vara que estava armada para Pirarara com cabeça de tilápia a uns 15mts da margem. Uma boa briga até que outro brancão.

Carinhosamente apelidamos esses brancões de "Tambacu Polar" rsrsrsrs.