EXPEDIÇÃO RIO NEGRO 2011 - PARTE 3


Local: Rio Negro, Rio Branco e Jauaperi - Amazonas - Brasil Data: 24/09 a 30/09/2011

EXPEDIÇÃO RIO NEGRO 2011 - PARTE 3 (27/09/2011)

Olá Amigos!

Nosso terceiro dia de pesca a bordo do Kalua Barco Hotel foi regado de muita aventura, coragem, desafios e peixes grandes.

Neste terceiro dia, recebemos o convite do comandante Edmilson para fazermos uma expedição a três novos lagos e para isso teríamos o apoio de um segundo barco com mais três guias e um morador local. Saímos bem cedo com o dia ainda amanhecendo e seguimos viagem por aproximadamente 35 minutos pelos rios da Amazônia, e sempre contemplados com um belíssimo visual da natureza.

O tempo todo fomos seguindo o nosso barco de apoio por estreitos rios, afluentes do Rio Branco, alguns tão rasos, sendo necessário sair do barco para ajudar a empurrar, o uso da serra elétrica foi frequente em grandes árvores caídas, só assim para abrir caminho para os barcos, lugares desconhecidos, no coração da selva amazônica. Mesmo com toda a dificuldade, não medimos esforços para chegar ao que seria o auge de nossa pescaria, o grande lago.

Assim que chegamos no primeiro lago, separamos as iscas artificiais e começamos os arremessos.

Equipamentos usados Gilberto Chudi Jr.:

-Tralha: Iscas Artificiais

-Vara Lubina 5’6 - 12/25 lb - Marine Sports -Carretilha customizada Chronarch - Shimano -Multifilamento Power Pro 50 lbs verde

-Vara Rapala Gold 5’6 - 10/20 lbs - Rapala -Carretilha Lubina Gto Black Widow - Marine Sports -Multifilamento Power Pro 50 lbs verde

-Equipamentos usados Marcio David:

-Tralha: Iscas Artificiais

-Vara Shift 5'6" - 8/17 lbs - Rapala -Carretilha Scorpion 1001 - Shimano -Multi 50 libras – Deep One - SunLine

-Vara Infinity 5'6" - 6/17 lbs - Lumis -Carretilha Curado 201 - Shimano -Multi 50 libras – Cajun Line - Shakespeare

Logo na entrada da lagoa, muito grande por sinal, o Júnior já fisgou dois pequenos Tucunas com a Zig Zara 110, um bom sinal da piscosidade do local.

Começamos a flutuar pelo lago calmamente e bastava alguma estrutura submersa para ter ataques em nossas iscas. Eu em um de meus arremessos com a Dr. Spock da KV quase fisguei um belo exemplar que mesmo depois de bater em minha isca e escapar, atacou na sequencia a Zig Zara do júnior que estava logo atrás. Na pescaria de Tucunarés, o trabalho em equipe é fundamental para se obter um bom resultado.

No mesmo local houveram mais algumas rebojadas, mas eu acabei enroscando a isca nos galhos e acabamos matando o ponto. Seguimos o percurso e uma forte explosão e a fisgada certeira fez um lindo Açú de bom tamanho pular feito canguru até se render. Eu estava fazendo um trabalho lento e compassado, ao contrário do Júnior que estava em um trabalho mais rápido. Um bonito exemplar de Tucunaré Açú.