Fishingtur Selvagem – Aventura e Adrenalina pura, nos “cafundó” do Amazonas, atrás dos grandes Tucun


Local: Rios Demeni e Aracá – Barcelos (AM) Data: Novembro de 2014

Olá amigos,

Gostaria de iniciar dizendo que é com ENORME satisfação e ORGULHO que escrevo a 2º parte da matéria aos leitores do nosso site de mais uma aventura de nossa equipe na magnífica região Amazônica. Os participantes da equipe Fishingtur nesse desafio foram (eu) Silvio Leme e o amigo Anderson. O nossa casa durante todos esses dias foi um barco “mãe” regional e de calado baixo (60 cm) escolhido a “dedo” propositalmente, para que se consiga transpor as adversidades dos Rios e nos leve o mais distante possível e próximo das cabeceiras dos Rios aonde temos maiores possibilidade de capturar os grandes Tucunarés por ter uma pressão menor de pesca. O conforto é mínimo, não tem Ar Condicionado é bem apertado, mas dispõe de uma pequena cozinha na casa de maquinas e um beliche “ao ar livre” para uma boa noite de sono. Digamos que é o ideal!!!

Continuando a nossa pescaria em busca dos grandes peixes, surge uma nova adversidade e está bem complexa e chegou forte, ou seja, eram as chuvas e com ela o famoso e temido repiquete (subida repentina dos rios) o que faz com que o Tucunaré simplesmente desapareça e “feche” a boca para comer nos lagos e nos rios. Aí bateu aquela preocupação em todos, mas são coisas que acontecem com frequência e temos que estar preparado e assim o fizemos, partindo para pescar em lagos distante com pouca pressão de pesca, porque, retornar já não era mais uma opção naquele momento. As águas rio abaixo estavam ainda em piores condições. Assim, fomos desbravar um lago que a dupla D&D (Dino e Derlei) conheciam. O Derlei era o prático do barco “mãe” que viajava durante toda a noite e foram 4 noites seguidas, assim quando chegamos em nossa última parada próximo a placa da aldeia indígena (o que não nos permitia mais prosseguir) o Derlei descansava a noite e saia conosco durante o dia e como ele tem origem da Tribo Indígena Baré e conhece como poucos o local, caiu como uma luva em nosso time.

Acordamos cedo com o dia ainda escuro e preparamos o café e por volta das 06h:00min horas da manhã seguimos para um lago chamado “onça” e outro de nome “onça central” e o nome já diz tudo não é mesmo amigos!?!?!? Bom, medo à parte demoramos mais de 2 horas para chegar ao lago, sua “cana” apesar de ter água, estava muito suja e tivemos que abrir caminho na base do tesado (facão) para entrar, mas quando entramos tratava-se de um lago lindo e já fui logo abrindo o placar com um Tucunaré de respeito!!! Na sequencia o Anderson engata mais um bonito e fica quietinho e observei que ele estava com peixe engatado apenas pelo barulho da fricção da carretilha e da linha multi nos passadores da vara. Mas, vejam que se trata de mais um belo exemplar fotografado e solto pela Equipe Fishingtur.

Já que é assim, lá vai um contra-ataque de “míssil Tomahawk” no amigo Anderson.

E para os amigos fazerem as “pazes” um dublê!!!

Hora do almoço e aos que gostam, nada melhor que um assado na beira do Lago…, confesso que não sou muito fã de peixe, mas o amigo Anderson e os guias adoram e apesar de soltarmos os peixes ao menos uns 2 de pequeno porte seguem para uma boa refeição, afinal ninguém é de ferro e que fica bom, ahhh, isso fica!!

Pescaria que segue e até uma boa quantidade de “pequenos” Tucunarés foram capturados e fotografados por nossa equipe e mesmo esses “pequenos” brigam demais… esse peixe é predador ao extremo e muito esportivo, por isso acredito ser o Imperador da Pesca Esportiva!!!

<