Pesqueiro Córrego das Antas – Tambaquis e Pirararas acima dos 40kg


Data da Pescaria: 27 e 28 de julho de 2008

Olá amigos

Atendendo a pedidos, nossa equipe passou um ótimo final de semana no Pesqueiro Córrego das Antas, na cidade de Glicério, interior de SP. Em pleno mês de Julho a quantidade de peixes foi absurda, inclusive peixes de águas quentes como a pirarara e o tambaqui.

O pesqueiro fica a 500km da capital paulista, seguindo pela Rod. Castelo Branco até o km 210 e depois pela Rod. Marechal Rondon. Siga pela Rondon até o Km 501 e entre a direita sentido a cidade de Glicério. Passe por dentro da cidade seguindo as placas para Brejo Alegre. Saindo da cidade siga pela estrada asfaltada sentido Brejo Alegre por 10km. No lado contrário da pista você vai ver uma placa do Pesqueiro – Pesque-Pague Córrego das Anta s–, entre a esquerda e siga a estrada de terra por mais 3km até a porta do pesqueiro.

O Pesqueiro tem uma boa estrutura com muitos quiosques e todos eles com iluminação elétrica. A pesca noturna é permitida somente para os hóspedes dos dois chalés. Logo cedo o café da manhã é servido e depois um belo almoço.

Bom, vamos falar de peixe rsrsrs. Começamos a pescaria usando varas de fundo e eu montei um único equipamento com bóia de arremesso. Bóias Barão, gentilmente cedidas para nossa pescaria.

Fiz um chicote de 1,20 de linha mono 0,50mm com anzol chinú n.9 direto na linha. Como isca usei um pedaço pequeno de minhocoçu e arremessei a uns 25mts da margem. Não demorou muito e a bóia começou a afundar.

Para poder enxergar a bóia, coloquei um luminoso na linha bem encostado na bóia. Até mesmo as pequenas pirararas estavam com muita força, gerando boas brigas na beira do lago.

Pouco tempo depois a brincadeira ficou mais séria. Com Tuvira de fundo a uns 10mts da margem. A vara envergou e soltou e logo em seguida uma tremenda corrida fez a fricção do molinete gritar.

Agora com um equipamento mais pesado e linha 0,60mm. Como o lago é grande e a margem que estávamos era limpa, podíamos curtir e brigar tranquilamente com o peixe. Minutos depois um belo exemplar foi para a foto.

Durante a madrugada os peixes pararam de atacar a bóia e estavam somente no fundo.

A noite estava agradável e sem vento, mas de repente um vento muito forte e frio trouxe rastros de uma frente fria. Pensei que fosse o fim da pescaria mas os peixes ficaram mais ativos e a sequência de pirararas foi absurda.

As gigantes do lago começaram a atacar no fundo. Estava tudo quieto quando a vara do Sr. Adimir que estava bem ao lado começou a envergar lentamente, praticamente em câmera lenta. Foi o tempo dele levantar segurar a vara e nhackaaaa…. o bicho tava fisgado e começou a correr em direção ao meio do lago. Essa primeira corrida levou no mínimo uns 50 metros de linha. Infelizmente demorou para eu pegar a filmadora mas o restante da briga vocês podem acompanhar no vídeo no final dessa matéria.

A isca usada foi pintinho. Isso mesmo. Tem uma granja perto do pesqueiro o qual o proprietário retira toda semana mais de 1 tonelada de pintinhos mortos. Esses pintinhos são a alimentação principal dos peixes do Córrego das Antas e sendo assim uma boa isca. Mas lembro que os pintinhos já chegam mortos ao pesqueiro. Eu acho uma crueldade quem usa esses animais vivos para pescar.

Uma ótima e emocionante briga. Um belo peixe com 29kg. Isso porque nós estamos no inverno. Imaginem só o próximo verão como vai ser….Olha só o tamanho da boca desse bicho.

Soltamos o peixe, arremessamos novamente os equipamentos e sentamos, mas não deu tempo nem de pensar,… A vara de nosso amigo Junior, que já tinha ido dormir envergou e a linha começou a correr muito rápido. Corri uns 20 mts até onde estavam suas varas mas o peixe já estava a uns 80mts dalí. Comecei uma briga fantástica. O peixe nadava margeando o lago, procurando algum enrosco.

Depois de vários e longos minutos, pensei que já estava controlada e próxima da margem, mas não. A danada correu beirando o barranco e foi parar debaixo de uma pauleira no cantinho do lago.

Fui até lá e dei o peixe como perdido. Quase estourei a linha mas a pedidos do Sr. Adimir passei por entre as árvores ficando na outra margem e do nada o peixe levou mais de 30 mts de linha pro meio do lago. A briga tinha começado outra vez. Mais de uma hora depois a danada foi pro colo.

Imaginem um passaguá grande, agora imaginem a dificuldade de tirar esse peixe da água.

Faz muito tempo que eu não brigava tanto com um peixe. E o lago do Córrego das Antas, apesar de alguns enroscos na margem, nos proporciona uma briga bem aberta. A única preocupação é um quiosque/ilha no meio do lago, mas de onde estávamos o perigo era baixo.

O Pesqueiro Córrego das Antas realmente está de parabéns. A quantidade de peixes é grande e o tamanho nem se fala. Segundo o proprietário os redondos chegam a 42kg, as pirararas a 60kg e estima-se um exemplar com 70kg. Pintados com 30kg e Dourados na faixa dos 8kg, além das espécies normais em pesqueiros.