Pesqueiro Esmeralda – O Fishingtur descobriu mais um point de Tambas e Pirararas


Local: Pesqueiro Esmeralda – Paraguaçu Paulista – SP

Olá amigos do Fishingtur,

Em uma viagem para o interior de São Paulo para passar o Réveillon, fiquei sabendo de um famoso pesqueiro na região de Paraguaçu Paulista, onde tinham notícias de pirararas e grandes tambas que saiam com frequência neste pesqueiro, assim, eu (Fernando Acorci) como não sou de ferro, tirei um de meus dias de folga para conhecer o tão falado Pesqueiro Esmeralda, do nossos amigos Júlio e João, que logo ao chegar, já me reconheceram e já caímos no papo. Perguntei tudo sobre o pesqueiro para poder passar para vocês a maior quantidade de informações, e posso afirmar que este pesqueiro tem um enorme potencial.

Logo na chegada por volta das 10 da manhã, me deparo com apenas alguns pescadores em um dos lagos, visto que o Pesqueiro Esmeralda oferece 2 lagos de tamanho médio para a pesca esportiva. Um conhecido por habitar grandes redondos e outro por habitar além de muitos redondos de tamanho médio, uma variedade grande de peixes de couro, como Pirararas até 27kg, Pincacharas, Pintados e Jundiás, fora as tilápias e lambaris que fazem o cardápio dos grandes peixes de couro.

Em Companhia de meus dois primos, Osvaldo e Kléber, fizemos uma pescaria bem divertida e diversificada, visto que cada um levou apenas 1 equipamento e revezamos as técnicas para capturar a maior variedade de peixes, então, logo no começo da pescaria, optei por jogar um pouco de ração em frente a saída d’água para ver a movimentação dos peixes, e a resposta veio rápida com várias explosões na superfície, assim, fazendo com que nós optássemos por pescar com Bóias Cevadeiras Barão e anteninhas confeccionadas com eva’s e miçangas também da Barão ou ração na pinga no sistema palminho, que também teve bastante produtividade, e logo nos primeiros arremessos, o resultado já vem !

Após algumas capturas, notei algumas movimentações de peixes de couro na beirada, pois a todo momento um barro subia em meio aquela água limpa, então não tive dúvidas e com o mesmo equipamento que consistia em uma vara de 6' 18lbs e carretilha perfil baixo tamanho 100 munida com linha 20lbs de multi, rapidamente abri o snap que estava atada a cevadeira e coloquei apenas um anzol 12146 da MS 4/0, e como isca, uma pedaço de Fígado, visto que é uma isca muito produtiva para os peixes de couro. Em menos de 10 minutos a primeira Pirarara bateu, e imaginem a briga dela neste equipamento leve que eu estava, foram longos minutos de briga até que a primeira Pirarara encostou na margem. Após as fotos, as movimentações continuavam e desta vez, foi a vez de meu primo Kléber colocar a isca literalmente na boca da Pirarara, e com a vara em punho ainda, fisga mais uma Pira.

Com o pesqueiro ainda vazio, as ações eram constantes, então resolvi jogar alguns pães no meio do lago para ver se os tambas comiam, e após alguns rebojos, 2 pães inteiros foram sugados e devorados pelos redondos, assim, eu apenas tirei o fígado que estava iscado para as Pirararas e substitui por metade de um pão francês, e logo uma pancada no pão denunciava um bom tamba. Enquanto eu brigava com o redondo valente, vejo a vara de meu primo abaixar de novo, e após a fisgada uma forte tomada de linha já denunciava outra pirarara.

Vale ressaltar que as Pirararas do Pesqueiro Esmeralda, são extremamente fortes e ativas durante o dia todo, assim, mudei novamente para a pescaria de peixes de couro, porém desta vez utilizamos a salsicha como isca, e logo os primeiros jundiás da matéria aparecem, tanto na minha vara quanto na do meu primo Osvaldo, que após soltar o modesto jundiá, isca novamente a salsicha e ainda com vara em punho, fisga mais uma pirarara, onde na primeira fisgada, devido ao equipamento leve, tomou cerca de 40 metros de linha, levando quase do outro lado do lago, durante a briga notamos um amigo ao lado que acabou de chegar e já fisgou um peixe, após alguns minutos de briga e pela forma de tomar linha percebi que era outra Pirarara, e então pedi para que tirássemos foto do Doublê. Galera olhem a quantidade de Pirarara em plena manhã, o peixe la realmente é muito ativo.

Com tudo mais calmo, depois de um Doublê desses, resolvi então investir forte na Cevadeira com anteninhas e as capturas foram incessantes, visto que com equipamento leve, cada tamba demorava em média 15 minutos para sair.

Com o meio do dia se aproximando, os tambas diminuíram suas atividades na superfície e então era hora de tentar as pirararas de novo. Dito e Feito , e em menos de 20 minutos estava minha singela varinha de 18lbs, lutando com mais uma Pirarara, e desta vez parecia uma briga mais forte e mais pesada, onde me fez correr atrás dela o lago todo pois a peguei em uma ponta e tirei na outra. Peixe muito forte e sadio, e essa já era de maior porte. Após a volta, resolvi então descansar e bater uma papo com meus primos, assim, resolvi arremessar uma salsicha la no meio do lago, e após 5 minutos com a vara no suporte, outro tamba não resiste a isca, e vem para foto.

Com a hora do almoço se aproximando, resolvemos então dar uma parada na pescaria, pois iríamos experimentar as excelentes porções servidas no Pesqueiro Esmeralda, onde tem como seu carro chefe a deliciosa porção de iscas de tilápia, onde degustamos e aprovamos. Essa porção não pode faltar no cardápio do pescador que passar para fazer uma excelente pescaria nesse pesqueiro com enorme potencial. Ainda experimentamos a porção de Frango á Passarinho que também é muito boa, fora as cervejas e refrigerantes que vem extremamente gelados. Realmente o Pesqueiro Esmeralda faz jus a fama que tem na região, pois além de 2 lagos lotados de peixe, os serviços de restaurante é realmente TOP.

Voltando a pescaria, investi novamente nos redondos, e desta vez com as anteninhas pretas e miçanga pitanguinha da Barão, tive um sequencia muito boa de bons tambas.

Com tanto tamba subindo na ceva, a pescaria ficou eletrizante porém fomos surpreendidos com uma verdadeira tempestade que não parava de jeito nenhum, fazendo com que fossemos para o Bar e esperássemos passar, porém com a hora de encerramento do pesqueiro se aproximando, resolvemos então ir embora, visto que pegamos muitos peixes de vários tamanhos e espécies.