Clube de Pesca Paraíso Verde – Literalmente o paraíso da pesca esportiva


Local: Clube de Pesca Paraíso Verde – Campo Limpo de Goiás – GO

Olá amigos do Fishingtur!

Nossa aventura desta vez foi no Centro-Oeste do país, mais precisamente na cidade de Campo Limpo De Goiás, no interior do estado de Goiás, onde nossa equipe composta por Marcio David, Júnior e eu (Fernando Acorci) fomos até o Clube de Pesca Paraíso Verde, para mostrar para vocês o potencial deste Pesqueiro que sem sombra de dúvidas está no TOP 5 do Brasil. À convite de nosso amigo e proprietário Juninho, seguimos com as mais otimistas das intenções, pois as notícias não poderiam ser melhores, e o jeito foi chegar, descarregar todo o nosso arsenal de equipamentos, câmeras e etc… E já começar logo nossa pescaria que iniciou-se por volta das 10:00 da manhã, e logo nas primeiras copadas, utilizando as Boias Cevadeiras Barão e anteninhas confeccionadas por nós mesmos com evas’s e miçangas da Bóias Barão, as quais fizeram o sucesso, e logo as capturas já começaram.

Paraíso Verde - Tambacus - Fernando

Com o tempo fechado, os tambas não deixavam nem a cevadeira abrir direito e já estavam comendo toda nossa ração que ficava na superfície, consequentemente nossos eva’s logo eram encontrados e literalmente espancados pelos gigantes redondos de habitam neste paraíso. E de carona na foto com o tamba, ninguém mais que o responsável por esse paraíso todo, nosso amigo Juninho também veio para foto.

Tambas - Fishingtur

Durante a pesca com as cevadeiras, o Marcio David resolveu armar uma vara com salsicha flutuando bem em frente ao aerador, local que é muito frequentado pelos gigantes de couro, e em menos de 10 minutos, uma pancada na salsicha faz todos assustarem e logo, o Marcio correu e mandou a fisgada e já avisou que era uma cachapira das boas, pois ela brigou sujo, correndo para baixo do restaurante, onde imediatamente ele teve que soltar a linha para que não rompesse nas colunas de cimento, e veio brigando até que dominou a bonita cachapira. E após a soltura, o Marcio que estava pescando de cevadeira, troca para o Pão flutuando e toma uma pancada de mais um gigante tamba que brigou por cerca de 20 minutos até se entregar e vir para a foto.

Cachapira e Tambacu - Marcio David

Com menos de uma hora de pescaria, nós já estávamos sentindo que seria um dia daqueles, e mais e mais tambas iam pegando nossos eva’s e mandando aquela explosão na superfície que todo pescador ama.

Tambas - Junior e Fernando

Desta vez, o Júnior também armou uma vara para pesca de peixes de couro, com salsicha flutuando e logo outra cachapira veio pegar a salsicha, e como de costume, após sentir o anzol, ela automaticamente da uma explosão na superfície, já mostrando que a briga não seria nada fácil, pois como capturamos ela perto de várias estruturas como o aerador e o próprio restaurante, elas brigam sujo, exigindo do pescador. na sequencia, o Marcio, novamente no Pão flutuando, captura mais um tamba de respeito.

Cachapira e Tamba - Junior e Marcio

Desta vez, o sol deu uma esquentada e as ações na superfície diminuíram, e então eu optei por trocar a cevadeira por um Torpedo das Boias Barão de 75g, chicote de 1 metro e minhocoçu como isca, vale ressaltar que os minhocoçus foram comprados na loja aqui em São Paulo, do nosso amigo Ricardo, chamada SAIL FISH, quem tiver interesse , pode entrar em contato pelo face ou ligar no tel. 011 3807-8681 que ele atenderá você com maior atenção e fornecerá vários tipos de iscas. Com a troca, o resultado foi imediato, e assim, as capturas foram sequenciais e de peixes de qualidade.

Paraíso Verde - Tambas - Fishingtur

Com o meio da tarde se aproximando, resolvi armar uma única vara de Pirarara, pois com o pesqueiro aberto e cheio, não tínhamos espaço para armar mais que uma. Assim optei por um equipamento pesado onde consistia de uma vara Compre Muskie de 50lbs e uma carretilha da Penn-Raíba, uma Penn Senator 3/0 munida de linha Raiglon 0,80mm e anzol Octopus circle 9/0 e como isca cabeça de tilápia. Após cerca de 30 minutos que eu arremessei a uns 10 metros da margem, a alta catraca da Penn Senator toca, com isso corri e mandei a fisgada para cravar de vez o circle hook na boca da pira, e a tomada de linha de mais de 30 metros foi imediato. Após algumas idas e vindas, a primeira pira da viagem encosta no barranco e a alegria estava estampada no rosto de todos, visto que já se tratava de uma pira de respeito.

Pirarara - Fernando