Clube Paraíso Verde – Uma boa pescaria com uma ótima companhia


Local: Clube de Pesca Paraíso Verde – Campo Limpo/Anápolis – Goiás

Olá amigos!

Em viagem ao estado de Goiás, em visita a namorada na cidade de Morrinhos, aproveitei e levei os equipamentos de pesca. Em comum acordo, decidimos fazer um passeio até a cidade de Campo Limpo, próximo a Anápolis. Saímos de Morrinhos logo pela manhã e as 10h30min já estávamos no pesqueiro. por ser dia de semana e pelo tempo estar bem ruim, com muita chuva, o pesqueiro estava praticamente vazio, apenas após o almoço que um ou outro pescador também se aventurou. Eu (Marcio David) e a Luciene, optamos em ficar na margem oposta ao restaurante, bem no meio do lago, local este que fiz ótimas pescarias nos meses anteriores.

Comecei a montar os equipamentos:

Pirarara -Vara Tallus 30 lbs – Albatroz Fishing -Carretilha Long Beach 65 – Penn -Linha mono 0,92mm

-Vara Blade 2,70mts -Carretilha Record – Abu Garcia -Linha mono 0,40mm Asso Super

Tambacus na cevadeira -Vara Customizada Cevadeira by Leal Custom -Carretilha Smoke – Quantum -Linha mono 037mm Super Laiglon

Cachapira ou Tambas no pão flutuando -Vara Bandit 5’6? 20lbs -Carretilha Black Widow MS -Multifilamento 40 libras

PESCARIA

Para as Pirararas deixei a cabeça de tilápia entre 1 e 3 mts da margem. Para as Cachapiras, deixei a vara bem inclinada e desci a linha até a água, deixando a salsicha flutuando a 30cm da margem. Os Tambacus foram fisgados na bóia cevadeira com chicote de 2mts com anzol de robalo 3/0, evas e miçanga, ora caramelo, ora marrom. Alguns tambas também foram fisgados com o pão flutuando direto na linha da carretilha, arremessando de 10 a 20mts da margem. Eu nem tinha acabado de montar todos equipamentos e a vara que estava com salsicha na margem já estava envergada, era um pequeno Tamba que veio comer bem na margem.

Tamba - Marcio

Logo na sequencia e com todos equipamentos já montados e na água, estávamos, eu e a Lu conversando, onde eu estava explicando a ela o funcionamento da boia cevadeira com os eva’s quando ouço o alarme da Penn cantar. Saí correndo e a Lú me olhando com cara de “o que está acontecendo?”. Peguei o equipamento, fisguei, confirmei a fisgada e vi uns bons metros de linha ir embora na primeira corrida da rabo vermelho. Briguei um pouco e quando percebi que já estava sob controle, literalmente joguei a vara nas mãos da Lú e a expliquei como trabalhar e fazer o recolhimento. E não é que ela fez direitinho para quem nunca tinha ido pescar antes, mas a Pirarara estava forte demais e acabei finalizando a briga. Como estávamos sozinhos por alí, ela mesmo pegou o passaguá e me ajudou a tirar a primeira Pirarara da água.

Pirarara - Marcio David

Fotos tiradas, peixe devolvido e muita adrenalina. De repente uma explosão e a pequena varinha com salsicha na margem estava bebendo água. Corri, confirmei a fisgada e passei a vara prá Lú novamente. Agora sentada ela brigou com a Cachapira até o final, quando a peguei com o passaguá. Nesse exato momento a minha alegria era imensa, fazendo o que mais gosto de fazer e ao lado de uma pessoa muito especial. Foi um momento muito bacana. Como era sua primeira pescaria, o medo do peixe era normal, então segurei esta bela Cachapira para a foto. Lembrando que o peixe era dela.

Cachapira - Luciene e Marcio

Começou então uma boa pancada de chuva e um vento muito forte, pensei que fosse o fim da pescaria, mas me enganei. Estava apenas garoando quando vejo a minha linha que estava a direita da vara, simplesmente e vagarosamente passar para o lado esquerdo, retirei a vara do suporte, esperei o peixe carregar e fisguei. Levei um contra ataque e uma tomada de linha que nunca mais vou esquecer. Apertei a fricção da Penn e fiz praticamente um cabo de guerra com essa Pirarara, mas não tinha acordo, eu a trazia até a margem, ela rebojava e voltava 20 metros lago a dentro. O braço estava doendo, e nada dela cansar. Impressionante a força das Pirararas aqui no Paraíso Verde. Até que ela se rendeu. A Lú fez o trabalho com o passaguá e depois de presa, tive que fazer força para levanta-la da água. Joguei a danada no colo para as fotos. A adrenalina estava a mil, eu tremia de tanta adrenalina, força e emoção. Foi demais. Fotografamos e depois soltamos e mesmo assim eu continuava tremendo. Só quem já pegou um peixe desse tamanho consegue descrever a sensação.

Pirarara - Marcio David

Eu ainda estava me limpando quando novamente a vara estava envergada, fisguei de novo e outra briga das boas, briga esta que dividi com a Luciene, mas ela não aguentava muito tempo, talvez por falta de prática com o equipamento e pelo peso e força do animal. Era outra bela Pirarara fisgada na cabeça de tilápia.

Pirarara - Marcio

Montei novamente o equipamento e comecei a pescar com a boia cevadeira, usando a Vara customizada de nosso amigo Leal Custom, a famosa vara laranja do Fishingtur. Fiz alguns arremessos e consegui fisgar dezenas de tambacus nos eva’s, mas a maioria deles ora escapava, ora cortava minha linha e cada peixe perdido eu via um sorriso no rosto da Lú, na verdade querendo é dar risada de mim. Mas continuei e ainda tirei alguns exemplares.

Tambacus

Depois disso, fisguei mais 6 peixes e todos escaparam. Fui obrigado a aguentar as risadas e ainda ouvir: – Se fosse eu, não deixaria escapar !!!! Enfim, depois de um bom tempo pescando, (e ela prestando atenção) comecei a perder um peixe atrás do outro, errava fisgada, perdia, escapava etc,…. e ela dando risada de mim…

Certo momento, arremessei um pedaço de pão flutuando e passei a vara para a Lú, quando o pão sumiu, ela fisgou e começa a brigar com o peixe… toma linha daqui, dali e ela lá brigando.. Arremessei então uma outra vara, esta com Boia cevadeira com eva’s e miçanga. Como o peixe dela estava bravo, ela me passou o peixe para acabar a briga e passei a outra vara a ela. Quando olho, só escuto o barulho da vara ( fisgada ) e vejo ela brigando com outro peixe. O primeiro era um bonito Tambaqui e o segundo um Tambacu, ambos fisgados por ela, que não tinha a mínima noção do que era uma pescaria, mas prestou atenção e teve força de vontade. Eu falei apenas uma vez como era o trabalho com a vara durante a briga e bastou. O difícil foi aguentar o sorriso estampado na cara dela enquanto brigava com os peixes, e lembrar que eu estava perdendo todos.

E tem mais, depois desses, ela fisgou mais uns 5 tambas, uma cachapira e uma pirarara. Tive o prazer de segurar os peixes “dela” nas fotos. Reparem na foto do Tambaqui, que ela estava com outro peixes fisgado na vara laranja.

Tambaqui e Tambacu - Luciene Lopes e Marcio

A chuva foi e voltou algumas vezes, mas a pescaria estava bem animada, e eu continuando a perder os redondos na boia. Mas entre um e outro, mais Cachapiras, Jundiás e Tambas.

Cachapira, Tamba e Jundiá

Mais no final do dia, conseguimos fisgar mais alguns exemplares de bom tamanho, a maioria fisgado pela Luciene. Depois da pescaria, perguntando a ela o que ela mais tinha gostado na pescaria ela respondeu: -A hora da fisgada !!!

Tambas

Bastou escurecer para as cachapiras ficarem doidas na margem. Montamos dois equipamentos com a salsicha flutuando. Jogávamos aração e era só esperar os bigodes aparecerem e apernas abaixar a salsicha na água. Era fatal. A Lú teve mais sorte, abaixou a salsicha literalmente na boca de uma delas que abocanhou sem pensar. A fisgada foi certeira e a pequena varinha estava envergada no limite. Mais uma boa briga da Lú com a Cachapira, esta bem maior que as outras.

Cachapira - Luciene - Marcio

Eu estava brigando com outra cachapira que veio escapar quando a vara de Pirarara envergou. Pedi pra Lú dar um jeito, ela teve dificuldade para tirar a vara do suporte mas tirou e travou uma boa briga com a grande Pirarara. Só no final da briga que não aguentava mais os braços e me passou o equipamento, era mais uma bela gigante fisgada pela Lú. Um belo exemplar.

Pirarara - Luciene e Marcio

Eu ainda fechei a noite com mais uma bela Pirarara

Pirarara - Marcio

E já guardando os equipamentos para ir embora, a saideira foi outra cachapira na salsicha flutuando na margem.

Cachapira - Marcio

Sucesso total em uma pescaria que começou as 10h30min da manhã, mesmo com o tempo muito ruim. Eu fui embora muitor feliz, feliz por ter feito uma boa pescaria e por estar ao lado de uma pessoa muito especial. Gostaríamos nesse momento de deixar um grande abraço a todos os amigos pescadores e leitores do site Fishingtur, aos funcionários do Clube de Pesca Paraíso Verde e um abraço especial ao Juninho pela simpatia e atendimento fornecido para nossa equipe e pela confiança depositada em nosso trabalho. O Fishingtur fica a disposição através dos canais abaixo para duvidas e ou necessidades de demais esclarecimentos.

Abraços!!!

Marcio David Equipe Fishingtur

Fotos: Marcio David e Luciene Lopes Texto e Edição: Marcio David

AGRADECIMENTOS

Pesqueiro Paraíso Verde

#Goiás #ParaísoVerde #CampoLimpodeGoiás #Pescaria #Diversão #PescariadeRedondos #PeixesdeCouro #Emoção

8 visualizações
Carretilhas de Pesca Penn
Contato Fishingtur

Parceiros

bruta.png
Lumis.png
Enz Miçangas e evas
LogoSimon.png
girls fishing lovers.png
Logo.png
universo da pesca.png
Oculos Matuto.png
ESTILO GOIANO.png
go pro 1.png
massa paturi.png
boias de pesca, boia cevadira, boia torpedo
Logo Completo Colorido recorte.png
Logo Step quadrado Tranparencia.png

Step'lc Confecções

Rua Nova Cidade - Vila Olímpia - São Paulo - SP

273.441.558-50

fishingturpesca@gmail.com

Prazo de Entrega da Loja de 10 a 14 dias úteis

O maior portal de Pesca e Turismo do Brasil

Fishingtur Pesca e Turismo 2007